Publicado em

[Tendência] No escritório, no Café, no Bar, ou no Restaurante…

tendência - yazaki lifestyle

Tendência: Quando as fronteiras do trabalho transcendem os escritórios comerciais, o que a gastronomia tem a ver?

 

Essa foi a discussão que aproximou a Vibbra!, um marketplace de desenvolvimento de software, da Yazaki lifestyle, consultoria de dados para gastronomia (clique e saiba +).

 


Trabalho remoto

No último ano, de acordo com uma pesquisa elaborada com mais de 15.000 adultos empregados nos Estados Unidos (NYtimes), 43%  confirmaram utilizar algum tempo para trabalhar remotamente (que significa trabalhar fora do prédio onde a empresa contratante está situada). Empregadores e empregados apontaram que o trabalho remoto complementa a estrutura convencional de trabalho, aumentando a produtividade e ajudando a reduzir o distanciamento de gêneros. Ao mesmo tempo, na União Europeia uma média de 17% dos trabalhadores estão envolvidos com algum tipo de trabalho do mesmo estilo.

 

Visto que existe uma forte tendência de que os escritórios convencionais não existam mais, o work remote vem se popularizando. Em contrapartida, segundo pesquisas elaboradas pela Vibbra! o sentimento mais citado pelos vibbrantes, como desvantagem do trabalho remoto é o isolamento, como falta de contato com pessoas e com o mundo. O home-office (trabalho em casa) facilita a vida dos trabalhadores por economizar horas de trânsito e trajes de trabalho, mas não substitui a vivência e a busca por novidades.

 

Espaços de trabalho com fileiras de mesas, como as conhecemos hoje, serão completamente redundantes. Não porque não sejam adequados, mas simplesmente porque essa finalidade não existirá mais.”  (dados do relatório: Forward 2030: The Future of Work and the Workplace)

tendência - yazaki lifestyle

 


Onde estão os workers

Com o advento da internet disponível em todo lugar, aliada aos gadgets como tablets e celulares conectados, trabalha-se no avião, no táxi, nas sala de espera, no co-working e hoje em dia é tendência a busca por cafés, bares e restaurantes como local de trabalho, um costume já popular em diversos países, e em pleno crescimento no Brasil.

O que faz um worker sair da sua casa para ir trabalhar em um café?

 

O escritório foi substituído, porém ainda existe a necessidade de relação com o mundo e com as pessoas, é aí onde se espera que o estabelecimento forneça novas experiências, conforto, amabilidade e conexão.

 

Quando um cliente vai a um café simplesmente para usar o seu notebook, smartphone, ou para uma reunião de negócios, ele é um usuário em potencial que pode ficar familiarizado e se tornar num rotineiro influenciador, com a capacidade de engajar novos consumidores, sejam eles turistas buscando um ponto de apoio para contato com seus familiares ou trabalhadores remotos em busca da união do conforto de casa com o movimento dos escritórios.

 

tendência 2 - Yazaki lifestyle

 

Comunidade de redes sociais

O local escolhido pode representar o porto seguro deste trabalhador! Então quando as expectativas não são atendidas toda a rede é alertada e vem à tona transformando uma experiência, antes individual e presenteísta, em comunitária, com impacto amplo e duradouro.

 

Público alvo

Estes comportamentos precisam ser previstos, pois a equipe de trabalho tem que ser cuidadosa em abordar este cliente especial. Quando, por exemplo, o cliente opta por trabalhar em um café, ele não está ali somente para consumir um café com um pedaço de bolo, a tendência aponta que entre outros benefícios ele quer usar a internet, conversar com o garçom, usar tomadas, o banheiro, etc.

 

Essa identificação é essencial para o contexto do estabelecimento, e formas de tratamento personalizadas remetem justamente aquela necessidade de pertencimento, engajando o cliente a consumir mais (é uma ótima oportunidade para criar combos de produtos e incentivar o consumo. Leia+ a respeito) e principalmente voltar e influenciar outros próximos clientes. É aí que todo mundo ganha.



E para você, como deveria ser o seu escritório no mundo?

 

 

Para saber mais:

Relatório OIT Eurofound 

Geração Y e mercado de trabalho, um estudo comparativo entre gerações
Forward 2030: The Future of Work and the Workplace

Publicado em

As 5 grandes chaves para o sucesso do seu negócio!

menu analytics

Temos diante de nós um grande desafio. Temos diante de nós um cardápio de produtos para vender, um negócio para fazer acontecer, muitas horas de trabalho, de empenho e de preocupação.

Faz vários posts que você deve estar se perguntando, qual é o nosso objetivo? Eu posso responder em uma palavra: União para o sucesso, a todo custo, apesar de todos os contratempos, união, por mais longa e dura que seja a estrada; Pois sem ela, não há sobrevivência.
É o nosso negócio? O nosso negócio é o seu sucesso!

Aqui falamos das dicas, aquelas que quando colocadas em prática permitem ao empreendedor crescer gradativamente em estabelecimentos como Bares, Restaurantes. Um excelente cardápio só se consegue com um bom Menu Analytics (analise de cardápios); Controlando estoque, produção e vendas.

Encima desses dados vamos calcular os principais indicadores para o sucesso do seu bar ou restaurante, sempre focados em empoderar e agregar valor ao principal recurso de vendas, o “cardápio”.

“A sorte não é um bom plano de negócios.” Anthony Bourdain

5 chaves do negócio

A seguir as 5 chaves mais importantes que você vai obter analisando seu cardápio detalhadamente.

1 – Descubra as margens de contribuição:
Um dos indicadores administrativo-financeiros mais importantes que sua empresa vai ter e que deve ser analisado sempre. Com base nele você vai calcular a quantidade mínima de produtos que precisará vender para se sustentar.

2 – Equilibre o negócio!

Sabendo onde está o lucro você vai visualizar quantos clientes tem que atender e quanta mercadoria vai precisar para chegar ao ponto de equilíbrio (break-even). Um dos maiores riscos que se corre neste segmento é gastar demais na hora de comprar e depois não conseguir vender o necessário para cobrir os custos e gerar lucros. Já aconteceu com você?

3 – Precificação:
Saber qual o valor ideal para colocar preço nos produtos é um privilégio que você vai descobrir depois de fazer os controles de estoque, produção, vendas e entender a absorção dos públicos alvo. Desse compilado de informações depende a fluidez do seu negócio. Produzir de forma assertiva e de acordo com a demanda de mercado permite otimizar stock de giro, de quebra possibilita manter um Staff de colaboradores informados e concentrados sobre quais são as tendências de consumo dos clientes.

4 – Quanto do seu dinheiro está indo para o lixo?
Com o fator de correção além de ajustar as compras você pode fazer um ranking dos produtos que geram maior desperdício no seu negócio, e assim você vai reduzir esse gargalo.

+ LEIA MAIS: Porquê bons Bares e Restaurantes nem sempre dão certo?

5 – Prioridades e Metas na produção:
Ao quantificar custo direto e tempos de trabalho com elaborações na sua cozinha você vai avaliar o custo das mercadorias vendidas e os tempos reais de produção, só ai você vai descobrir se a equipe é eficiente para produzir num tempo rentável que esteja perto do ideal.

Então, agora você já sabe quais são as chaves da vitória! O que achou?

Não deixe de entrar no grupo de debate da nossa Liga gastronômica no Facebook, e se quiser você também pode se cadastrar – AQUI – em nossa lista de parceiros, vamos lhe proporcionar um teste online e gratuito onde você poderá definir: custo direto com insumos, margem de contribuição e lucro liquido.

Um Abraço;

Emiliano Machado
Wagner Mattei.

 

Publicado em

Como aumentar vendas no seu restaurante [Dicas]

Sua equipe sabe padronizar seus alimentos?

Já deixou de vender itens do cardápio porque não tinha estoque? Ou vendeu e quando foi procurar percebeu que os insumos tinham acabado? Perdeu insumos porque comprou demais e os produtos venceram ou estragaram?  Você deve estar se perguntando, como aumentar vendas assim?

 
Em grande parte dos restaurantes, o controle de rotação dos alimentos é falho. Uma forma incrível e muito eficaz é o método FIFO (first in, first out – o primeiro que entra é o primeiro que sai). Este se não for levado ao pé da letra possibilitará tanto a compra desnecessária de produtos como a falta dos mesmos.
 
Sua equipe sabe padronizar seus alimentos?

Um sistema de controle vai permitir aumentar vendas e prever o ciclo de vida dos seus alimentos.

 

Padronizar o preparo das receitas é um dos grandes desafios dentro da gastronomia. Quando supera-lo você vai ter em mãos as informações fundamentais para criar sua maior ferramenta de controle. Controlar o MarkUP de cada produto é o caminho para aumentar vendas e entender o que ajuda a ganhar em lucratividade e rentabilidade.

 
Como aumentar vendas no seu restaurante

Perigo!

 

Durante a limpeza dos alimentos está um dos maiores obstáculos para a sua lucratividade. Por exemplo: na hora de limpar carnes, as perdas podem chegar até 30% do peso.

Tenha cuidado, neste processo muito do seu dinheiro pode estar indo para para o lixo!
 
Pense que por pagar R$ 15,00/kg de alcatra ruim o custo final do kg. sem o desperdício pulará para R$ 19,50! Isto sem contar o tempo de trabalho para limpar a peça…Nesse caso, quem sabe convenha pagar R$ 17,00/kg de um produto de maior qualidade, que tenha 10% de desperdício, o preço final vai ficar em R$ 18,70/kg e sua equipe ainda vai economizar tempo de trabalho.
 

Um produto mais caro as vezes vale a pena, principalmente se no processo de limpeza a perda for inferior a 10%. E lembre-se que compras excedentes, é sinônimo de capital parado! Se comprar a menos e tiver que sair para comprar em caráter urgente é quando o lucro sai correndo!

 
 
Não deixe de entrar no grupo de debate da nossa Liga gastronômica no Facebook e se quiser você também pode utilizar a nossa hora de consultoria gratuita via Skype ou whatsapp!
 
 
E ai ajudou? O que você achou do post?
Sua opinião é a mais importante.
 
 

Veja a seguir: 10 dicas arrasadoras de Bares e Restaurantes de sucesso.

 

Publicado em

2 ingredientes fundamentais para colocar no seu Cardápio

Dentro do segmento gastronômico existem obstáculos e vários deles estão na engenharia do cardápio. Então, será que as empresas do setor sabem distinguir lucratividade de rentabilidade?

 

Lucratividade:

O empreendedor usa os dados financeiros de um determinado mês e faz a divisão do lucro líquido pelo faturamento.

 

Rentabilidade:

O empresário divide o valor do investimento inicial total pelo resultado estimado do fluxo de caixa anual. Assim, obtém a taxa de retorno do investimento anual ou rentabilidade por ano.

 

Em resumo a lucratividade num produto é a diferença entre o preço de venda e os custos com a venda (preço de compra, impostos, etc.). A rentabilidade estabelece ligação entre o lucro obtido com as vendas e o investimento feito na montagem do estoque inicial do negócio.

 

Esses são pontos fundamentais a serem pensados, que vão ajudar a definir ou re-definir os produtos que compõe o nosso principal meio de venda, O CARDÁPIO.

2 perguntas importantes a serem respondidas nesse processo:

 

Como identificar quais os produtos e linhas mais rentáveis no cardápio?

 

O que faz o preço ficar melhor posicionado?

 

Entender esses detalhes vai fazer a grande diferença na sua organização.

 

Rentabilidade, Lucratividade, engenharia do cardápio.

Por exemplo vamos pensar no caso de um restaurante que tem 1 único prato que foi vendido num dia normal à R$40,00, onde 50 pessoas compraram obtivemos um faturamento = R$ 2.000.
No dia seguinte, Pedro, o gerente do restaurante quis aumentar as vendas e resolveu aplicar uma promoção de 20% de desconto, então 60 pessoas compraram com o novo preço, R$32,00 = R$ 1.920.
 
Como resultado ele obteve um aumento de 20% no volume de vendas, porém, uma redução de 4% no faturamento do dia. Essas co-relações de equilíbrio e índices de risco geralmente não são levadas em conta na hora de definir algumas estratégias específicas, levando os gestores do negócio a terem dificuldades com resultados financeiros.
 
A definição de um  preço adequado deve levar em conta custos com elaboração de produtos, com colaboradores, vendas, posicionamento de concorrentes no mercado, tempo parado em estoque e outros fatores que, se não estiverem bem mapeados, vão derrubar a rentabilidade do produto.
 
Então, ficou curioso e quer entender melhor??? (click aqui)
 
 
Emiliano machado (Gastronomo)
emilianobmachado@gmail.com